ESQUECI MINHA SENHA >
Sincodiv
ÍNDICE SINCODIV-SP ONLINE
Seção Entrevista
16/03/2017 - 14:25:24
Bate-papo José Edson Galvão de França, presidente da Abinpet - PARTE II
Por Renan De Simone e Matheus Medeiros
Izilda França

Sincodiv-SP Online: Na relação animais de estimação e humanos, o que mudou nesses últimos 10 anos? Qual a importância dos bichinhos no cotidiano e mesmo em práticas terapêuticas?

José E. G. de França: Hoje, vivemos a mais rica etapa da relação humano/animal, que é a de considerarmos cachorros, gatos, pássaros e até répteis de estimação como parte da família.

Novos estudos mostram alguns dos resultados mais comuns em se ter um pet em casa, como o aumento da autoestima, assim como melhoras na interação social, etc.

Além dos benefícios da saúde mental, eles também trazem saúde física. Pesquisas comprovam a redução de problemas cardíacos e a diminuição do estresse em famílias que têm bichos de estimação. Há também alguns levantamentos recentes revelando que famílias que mantêm animais no lar tendem a gastar menos dinheiro com remédios. Importantes hospitais já admitem até mesmo que pacientes recebam visitas de seus bichos.

Sincodiv-SP Online: Em relação à longevidade dos animais, como uma alimentação baseada nas rações e cuidados certificados pode contribuir e como o mercado se beneficia disso?

José E. G. de França: Nas últimas duas décadas, houve grande crescimento das informações científicas sobre a importância da nutrição adequada ao animal, tanto o saudável como também aquele que passa por tratamento de enfermidade. Isso, no entanto, ainda não é reconhecido por muitas clínicas e hospitais veterinários.

A Abinpet reforça a importância do alimento completo para os pets, caso da ração industrializada. Ela contém vitaminas, sais minerais, proteínas e outros elementos na proporção correta, que garantem a nutrição e o desenvolvimento dos bichos.

O mercado brasileiro de alimentação dos animais de estimação é amplo e possui linhas completas, com opções padrões (standard), premium, de níveis nutricionais superiores, e ainda os super premium, com a mais alta tecnologia em nutrição disponível. A ração comercial, atualmente, ainda é o principal alimento fornecido a cães e gatos, já que é uma alternativa de fácil armazenamento e garante boa qualidade de vida ao animal.

Sincodiv-SP Online: Segundo nos disse, a carga tributária sobre o setor alcança mais de 51% atualmente. Por que essa incidência? O que uma desoneração poderia fazer para o crescimento do setor? A Associação atua nessa questão?

José E. G. de França: Vale ressaltar que essa tributação se deve à percepção do setor como supérfluo. Isso não condiz com o entendimento e reconhecimento dos benefícios mútuos da interação entre homens e animais para a saúde e bem-estar pela sociedade. Os pets são considerados membros da família. Além disso, estudos já mostram que os animais trazem excelentes resultados em tratamentos terapêuticos e em políticas de inclusão social.

Atuando a respeito, a Associação participou da criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva dos Animais de Estimação dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e um dos principais temas é a alta tributação do setor. Hoje, no Brasil, estamos quase atingindo a proporção de um animal para cada duas pessoas. A alimentação adequada dessa população de bichos é fundamental, como é a do ser humano, e a alta tributação impede o correto acesso da população a produtos e serviços.

A Abinpet atua ativamente junto aos órgãos responsáveis para reduzir esta tributação, que atenta, principalmente, contra a saúde dos pets e o orçamento das famílias – as maiores prejudicadas pela taxa.

Sincodiv-SP Online: A quais opcionais e acessórios os distribuidores de veículos devem estar atentos e ofertar aos seus clientes que se preocupam com o transporte de seus animais de estimação, uma vez que é um mercado potencial enorme?

José E. G. de França: Transportar um pet de carro não é uma tarefa tão simples e exige alguns cuidados. Há o bem-estar do pet, que tem que estar acima de todas as preocupações, e também leis de trânsito que precisam ser obedecidas.

Segundo o artigo 235 do Código Brasileiro de Trânsito, é proibido conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas dos veículos, salvo nos casos devidamente autorizados. O artigo 252 inciso II proíbe o motorista de dirigir o veículo transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas.

No mercado, há diversas opções de equipamentos e utensílios a serem instalados e deixar o passeio mais seguro e agradável: capas protetoras para o estofado do carro, assentos com cinto de segurança, caixas e bolsas de transporte.

Os concessionários devem considerar oferecer esses produtos e acessórios, buscando conhecer o perfil de seu cliente.

 

Produção e edição