ESQUECI MINHA SENHA >
Sincodiv
ÍNDICE SINCODIV-SP ONLINE
Seção Entrevista
21/09/2017 - 08:52:48
Bate-papo com Andressa Perini, cofundadora da Goodies, confeitaria de doces criativos e divertidos em Curitiba
Por Renan De Simone e Matheus Medeiros
Divulgação/Goodies Bakery As irmãs fundadoras em frente à primeira loja Goodies, em Curitiba (PR).

O Bate-papo deste mês do Sincodiv-SP traz a história de duas jovens irmãs empreendedoras de Curitiba (PR), Andressa e Larissa Perini, que largaram suas carreiras - Direito e Design, respectivamente - para realizarem o sonho de alegrar a vida das pessoas através da doçura, literalmente. Em 2007, teve início a empreitada que culminaria na criação da Goodies Bakery, confeitaria especializada em doces norte-americanos criativos e divertidos como cookies, cupcakes, donuts e outros.

Tudo começou da venda informal de cookies caseiros que Larissa fazia na época da faculdade. O negócio foi se expandindo, com a ajuda da irmã Andressa, que cursava Direito e, numa noite, Larissa sonhou com uma produção industrial de cookies e acordou com a certeza de que havia sido uma mensagem de Deus. Ela iniciou, assim, um processo de busca por maquinário profissional e local onde pudesse montar sua cozinha industrial e "arrastou" sua irmã no processo.

O resultado foi que, após 10 anos, a Goodies está abrindo sua quarta loja em Curitiba, tornando-se um case de sucesso: pelo relacionamento que tem com seus clientes, pela comunicação dinâmica, pelo treinamento de seus profissionais e pela visão de conhecimento compartilhado, oferecendo cursos de confeitaria.

Com produtos bonitos produzidos com técnicas de pâtisserie (doces finos com qualidade, textura, sabor e cor diferenciados), as mulheres definem a missão da empresa "como a de levar carinho, amor e um pouco dos princípios cristãos por meio de suas delícias". Acompanhe a seguir a entrevista na íntegra com Andressa, que conversou com o Sincodiv-SP Online.

Sincodiv-SP Online: Vocês duas vêm de áreas diferentes de formação, mas encontraram nos doces um propósito maior. Como foi essa descoberta?

Andressa Perini: Tudo se deu em um cenário incerto e desafiador! Depois do sonho da Larissa, demos andamento ao que acreditamos ser o certo, apesar de nossa família achar que não era prudente e que não havia futuro nisso. No início, a Lari não guardava nada dos recursos que entravam da venda informal de cookies e eu tinha o sonho de me formar advogada e ser juíza.

A família do meu namorado na época, hoje esposo, era toda formada por profissionais de carreira e eu acreditava que deveria seguir esse caminho. Empreender, há 10 anos, era diferente do que é hoje. Atualmente, há mais informação e estímulo, coisas que não existiam em abundância na época.

Aqui em Curitiba, na área de doces, não existia linha gourmet, apenas doces tradicionais. Isso dificultava ainda mais a ideia de um negócio especializado em cupcakes, por exemplo. Eu senti uma direção de Deus quando recebi o convite da minha irmã de participar dessa iniciativa e precisei de fé e coragem, pois estava pisando em um solo desconhecido.

Sincodiv-SP Online: O início foi complicado, então?

Andressa Perini: Nós cometemos alguns erros, obviamente. Para se ter uma ideia, a demanda era tão grande no primeiro ano da Goodies que, se não fosse por encomenda, nós tínhamos de limitar a quantidade de produtos que o cliente poderia levar (risos), pois as filas eram quilométricas e queríamos que todos pudessem provar.

Aos sábados, por exemplo, abríamos às 14h com uma média de dois mil cupcakes e, por vezes, às 16h já tínhamos vendido tudo. Dava desespero ver que ainda tínhamos clientes, mas estávamos sem produtos. Isso gerou reclamações até na internet, era bem intenso. Nossa cozinha era de 15m?2;, então não tinha nem onde estocar o que produzíamos. Iniciávamos a produção às oito da manhã e tínhamos de terminar até às 14h.

Nós vínhamos de uma produção caseira, ninguém tinha feito nenhum curso que desse respaldo na área, então foi um universo bem diferente do que conhecíamos. Confiamos muito no feeling.

Sincodiv-SP Online: Vocês passaram de uma produção caseira para uma de larga escala. Conte um pouco mais desse processo.

Andressa Perini: Começamos em casa, por encomenda, no forninho a gás da minha mãe. Quando pensamos em abrir a loja, planejamos vender cerca de 100 cupcakes por dia durante a semana e uns 500 aos finais de semana. Entretanto, logo de cara nos surpreendemos com uma saída de cerca de 650 cupcakes por dia da semana e dois mil aos finais de semana.

Foi bem maior do que imaginávamos, tivemos de contratar às pressas, qualificar, ensinar tudo do zero, cometendo muitos erros, gerando retrabalho. Com o tempo, as coisas melhoraram, investimos em uma cozinha industrial, que, aliás, é de onde sai a produção de todas as lojas hoje.

Em julho de 2017, abrimos a quarta loja e investimos em freezers, pois, para se ter uma ideia, até agora, mesmo depois de cinco anos de lojas abertas, produzimos tudo do zero todo santo dia. Iniciamos às 06h, terminamos até o meio-dia e depois temos mais uma remessa na parte da tarde para tentar adiantar, pois a demanda atual é de cerca de quatro mil cupcakes/dia.

Como zelamos pela qualidade, expandimos devagar, conforme ganhamos confiança. Mas sabemos que a concorrência está vindo forte, que não podemos ficar confortáveis e que devemos planejar os próximos passos.

Sincodiv-SP Online: E como superaram os desafios da inexperiência?

Andressa Perini: Não tínhamos ideia de como cuidar de uma empresa e ela cresceu muito rápido - não tínhamos estrutura física ou qualificação profissional, e nem emocional (risos) para essa expansão rápida. Nós brincamos que se a Goodies fosse um corpo humano, ele seria cheio de estrias pelo crescimento acelerado.

Quando vimos "a água bater", entendemos que precisávamos ser melhores, nos qualificar, buscar mais conhecimento e aprender. Isso foi um processo muito bom porque tivemos a humildade de procurar quem já estava na estrada há algum tempo e os outros empresários e empreendedores nos ajudaram muito. Buscar informação e preparo é essencial porque a legislação trabalhista é bem complicada, teremos mudanças agora e será um novo aprendizado.

No início, chegamos a sofrer dois processos de trabalho, pois, apesar de eu ter estudado Direito, éramos ingênuas. Fazíamos tudo certo, mas confiávamos demais na palavra das pessoas. Contudo, foi importante porque, apesar de serem processos com valores relativamente baixos, eles nos ensinaram muito.

Daí para frente, nos organizamos melhor, criamos regimentos internos, procedimentos, treinamentos, registros e até agora não tivemos mais nenhum problema desse tipo. Aprendemos conforme avançamos, pois precisamos crescer rapidamente e isso exigiu contratação rápida, o que só nos fez atinar às possibilidades de problemas trabalhistas quando eles ocorreram.

Sincodiv-SP Online: Atualmente, quais os maiores desafios que têm?

Andressa Perini: Hoje, nosso maior desafio é expandir. Nosso sonho é ir além de Curitiba, para outras cidades, e até para outros países. E o que é mais difícil é estudar a logística para isso ocorrer sem perder a qualidade.

Nós não usamos nenhum tipo de conservante nos produtos. O máximo que fazemos é congelar uma produção de um dia para o outro, às vezes. Então precisaríamos de uma cozinha de produção em cada cidade, ou trabalhar com um nível de congelamento mais intenso, o que pediria transporte por caminhões refrigerados.

Isso porque não conseguimos ter um tempo longo entre o preparo e a venda porque a massa resseca. Se fizermos hoje e não vendermos até amanhã, o produto vai para descarte.

Já conseguimos reduzir bastante as perdas, pois a Larissa controla o pedido diário de cada loja, faz o balanço do que sobrou e consegue reduzir esse número da produção do dia seguinte.

Sincodiv-SP Online: Quanto às equipes, como é gerir, motivar, organizar e conseguir produtividade, mantendo um clima bom?

Andressa Perini: Fazemos bastante coisa. Por exemplo, criamos planos de metas de vendas com os gerentes e vendedores. Temos investido nos incentivos de participação de lucro para motivar a bater metas, o que tem nos ajudado bastante também.

Vemos o dia a dia como um processo de gamificação, no qual sempre temos um novo desafio. Isso nos move na direção de sempre criar algo novo para motivar as equipes. Não adianta trabalhar com bonificação remunerada fixa apenas, eles desejam coisas diferentes, desde melhorar valores até presentes, como ingressos para cinema. Nesse último caso, por exemplo, não é o valor financeiro que vale, mas a ideia de que o profissional foi presenteado e reconhecido pela empresa. Isso faz a diferença!

Como expandimos e nem sempre conseguimos, eu e a Larissa, nos fazermos presentes em todas as lojas, treinamos supervisores que nos representam em cada lugar e motivam as equipes.

Sincodiv-SP Online: Aparentemente, vocês têm uma missão, visão e valores bem definidos e sabem para onde querem ir. Conte um pouco desse olhar.

Andressa Perini: Temos isso bem certo - somos uma empresa cristã e temos o sonho de encher de alegria a casa das pessoas, pois entendemos que o doce proporciona isso. O doce faz a família se reunir, muda o humor para melhor.

Sempre falamos que se você está com TPM (tensão pré-menstrual), coma um docinho que melhora; se está bravo, seu humor melhora; e se você está feliz, comer um doce vai te fazer ainda mais feliz.

Pregamos alegria, amor, esperança, fé, sonho. Esse é nosso norte de comunicação. Até no endomarketing desenvolvemos bastante treinamento para que os funcionários entendam a persona da empresa, pois eles têm de se comunicar de acordo com a Missão, Visão e Valores da Goodies. Quando estão aqui, eles são a própria empresa, e devem atender às expectativas de nossos clientes.

Nós gostamos bastante da comunicação da Disney e temos ideias similares àquelas expostas no livro "O jeito Disney de encantar os clientes". É um tipo de comunicação que se atenta aos detalhes.

Para acompanhar a segunda parte do Bate-papo sobre a Goodies na qual Andressa conta sobre mais sobre a comunicação da empresa com os clientes e sobre outros produtos e serviços oferecidos, clique aqui.

 

Produção e edição