Adoção de novas placas “Mercosul” afeta balanço de emplacamentos em janeiro, indica Fenabrave
Por Juliana de Moraes e Silvia Pimentel


Tradicionalmente um mês em que o número de negócios do setor de distribuição de veículos no país é menor, janeiro de 2020 acabou também afetado pela implantação das novas placas Mercosul, em São Paulo, o que represou alguns emplacamentos, de acordo com informações divulgadas pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).  

O resultado da conjunção de fatores levou o balanço de vendas de veículos novos no primeiro mês do ano a uma queda de 1,61% em comparação a igual período de 2019, somando 298.417 unidades emplacadas, considerando todos os segmentos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros). Em relação a dezembro, a redução foi de 19,52%.

"Observamos, em janeiro, os reflexos da sazonalidade de compras, realizadas em dezembro, tipicamente um mês forte, já que as marcas oferecem promoções antes do Natal", avalia Alarico Assumpção Júnior, presidente da Federação.

Automóveis e comerciais leves

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, apresentaram retração de 3,4% sobre janeiro de 2019, totalizando 184.125 unidades novas vendidas. Sobre dezembro, a queda foi de 26,9%.

Caminhões, Implementos Rodoviários e Ônibus

As vendas de caminhões sofreram reflexos do período de férias coletivas, avalia a direção da Fenabrave. Com 7.186 caminhões emplacados em janeiro, contra 8.328 em dezembro, a baixa foi de 13,7%. Já na comparação com janeiro de 2019, o resultado apontou crescimento de 3,6%.

Para Sérgio Zonta, vice-presidente do segmento na Federação, o desempenho está dentro da normalidade para o período, por isso, as expectativas da entidade se mantém positivas.

Seguindo o mercado de veículos pesados, o setor de Implementos Rodoviários teve retração de 7,1% sobre dezembro, mas, ante janeiro do ano passado, marcou alta de 5,5%, no volume de emplacamentos.

Por fim, o mercado de ônibus também apontou recuo por não ter havido novas entregas para o "Programa Caminho da Escola" e contando com as influências da sazonalidade. Em janeiro, foram emplacadas 2.153 unidades, o que significou 2,3% de retração sobre igual mês de 2019, e queda de 11,5% diante do resultado de dezembro de 2019.

Motos

As vendas de motocicletas, em ritmo de recuperação, somaram 91.689 unidades, alta de 1,1% sobre janeiro do ano passado; e retração de 2,5% sobre dezembro de 2019.

"Além dos fatores que influenciaram o setor como um todo, a produção de modelos de até 300 cc, de todas as marcas, não foi suficiente para a demanda do mercado nesse mês," comentou Carlos Porto, vice-presidente do segmento de motocicletas da Fenabrave.

 

Produção e edição

Voltar
...(omitted for brevity)...